Voltar ao Topo

Quem Somos?

Neste último século, a discussão a cerca dos riscos ambientais e tecnológicos causados pela ação antrópica ocuparam lugar de destaque no palco internacional. Os caminhos da sustentabilidade, tão almejados pela sociedade, estão sendo construídos enquanto a humanidade convive com a miséria, a fome, crises políticas, guerras e a degradação dos recursos naturais. No meio agrícola, o rompimento de barreiras para atender a demanda mundial de alimentos esbarra nos dilemas sobre a sustentabilidade do planeta e a necessidade de mudanças nos modos de produção tem se mostrado cada vez mais evidente. No meio urbano, estratégias de planejamento ambiental passam a fazer parte das agendas políticas.

A noção de desenvolvimento sustentável se multiplica pelo mundo, sendo, portanto um convite á revisão de modelos existentes, tanto na produção quanto no consumo.

Enquanto os desafios da sustentabilidade são complexos por definição, dada a amplitude, profundidade e diversidade dos temas a serem abordados, é necessário encontrar formas de enxergar este mosaico e comunicar tal complexidade para atingir a comunidade em sua base, incentivando a mudança de hábitos, o consumo consciente e levando os principais alvos a serem capazes de realizar as mudanças necessárias.

É neste contexto que surgiu a Organização Não Governamental AMBIENTE E EDUCAÇÃO INTERATIVA, entidade sem fins lucrativos cuja finalidade é levar incentivar a participação cidadã nas tomadas de decisão no campo sócio ambiental. Este relatório contém as principais atividades desenvolvidas pela ONG nos últimos anos e é também um convite, a você cidadão, a participar conosco dessa luta por um planeta mais saudável e consciente.

A Ambiente e Educação Interativa – AMEDI- é uma Organização Não Governamental criada em 19 de março de 2006 com o intuito de promover ações efetivas de proteção ao Meio Ambiente nas mais diversas esferas de manifestação da natureza, implantando projetos de cunho educativo e socializante, através de profissionais qualificados nas mais distintas áreas de conhecimento e que buscam, fundamentalmente, salvaguardar o patrimônio natural do Cerrado Brasileiro e de todos e quaisquer outros biomas e ecossistemas.

A AMEDI busca representar a sociedade civil organizada nos Conselhos de Meio Ambiente a fim de defender os direitos da sociedade nas decisões de Políticas Ambientais do Estado de Minas Gerais.

Está representada por geógrafos, biólogos, engenheiros ambientais, sociólogos, juristas e ambientalistas que, em geral, têm como primeiro plano de ação profissional coibir os abusos acometidos à fauna, à flora e a toda a biota do planeta, buscando apoio junto a instituições públicas e privadas para reorganizar e conscientizar as pessoas no sentido de transformar as gramáticas das práticas sociais com vistas á priorização de um meio ambiente saudável.

Deste modo, e contando com o apoio de pessoas que se sensibilizam para a cidadania em sua mais plena forma de manifestação, a AMEDI trabalha a fim de canalizar esforços de maneira criativa para a solução de problemas relacionados ao meio ambiente, tais como a preservação dos recursos naturais, aspirando restabelecer na medida do possível, o equilíbrio perdido entre homem e a natureza, através de práticas sustentáveis de desenvolvimento, tendo também como objetivo o combate a pobreza nas suas diversas escalas, seja social, política e ambiental.

O nascimento da Entidade, com sede na cidade de Monte Carmelo – Minas Gerais se deu a partir da preocupação e mobilização de um grupo da sociedade civil que, observando a degradação do cerrado na região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, buscou tomar iniciativas de educação ambiental para conscientização da comunidade local a respeito da importância da preservação do Meio Ambiente.

Alguns temas como coleta seletiva dos resíduos sólidos, recuperação de áreas degradadas, preservação dos recursos hídricos, foram alguns dos temas inicialmente debatidos. Foram canalizados esforços no intuito de promover a Educação Ambiental Informal, junto a sociedade, o que culminou no desenvolvimento do Projeto Sala Verde do Ministério do Meio Ambiente. Atualmente a Sala Verde Mangaba, assim denominada, conta com mais de 400 exemplares de publicações do Ministério do Meio Ambiente, disponíveis para pesquisa e consultas.